quarta-feira, 14 de abril de 2010

Aqui Jaz...




Fim de um sonho que eu tentei fazer acontecer para o resto da minha vida. Sim, porque era esse sonho que eu queria viver até o fim. Ficar velhinha vivendo o sonho, sabe? Fiz planos pra esse sonho...tantos planos...
Mas não deu.
Tentei de todas as maneiras possíveis e, praticamente, impossíveis para fazer com que desse tudo certo. Mas, por um deslize no meio do processo, por uma falha, uma pequena falha sem importância, arracaram o meu sonho de mim.
Todos os meus planos mirabolantes para realinhar as órbitas dos planetas, não deram em nada. E eu, que era incansável, cansei. Entreguei os pontos e levantei a bandeira branca.
Hoje, finalmente entendi, que 2 corpos não ocupam o mesmo lugar no espaço. Por isso, sonho, te enterro debaixo de 14 palmos e deixo o lugar que era seu, vago para outro...sonho.







*Clipe lindo,muito bem feito e que diz muito sobre mim.


video

domingo, 11 de abril de 2010

Turbilhão




Semana esquisita, cheia de coisas chatas e emoções à flor da pele.




Pressentindo tudo o que ainda estava por vir, minha menstruação chega na 2ª feira, com 5 dias de antecedência (coisa totalmente incomum no meu ciclo!). Mas enfim, cólicas, cansaço, dor de cabeça e um mau-humor misturado com tristeza. Essa sou eu "naqueles dias"...


*******************************************************************************

Ainda no início da semana, a chefe da minha chefe, ou seja, a dona, literalmente, do pedaço, aparece também de mau-humor e destila (pra ser sutil e educada) um pouco da sua amargura...sobre quem????Quem???? Sobre essa pobre criatura que vos escreve. Afinal de contas, naquela situação (dona -> supervisora -> gerente) a corda,obviamente, ia arrebentar do lado mais fraco = O MEU!!! Resolvi apelar para a minha religiosidade e pedir à Deus paz interior, compreensão e resiliência. Com isso, consegui dar 2 sorrisos singelos para a minha supervisora, pelo esforço para descontrair em uns 2 momentos críticos. Talvez por que tenha lembrado de tempos atrás, onde passamos por uma situação semelhante e quando conversamos sobre isso, deixei claro que não estava acostumada a ser tratada com gritos, pois na minha casa, a educação sempre foi baseada no diálogo e na conscientização. Logo, reações como a dela e a da "chefe da chefe", feriam sim, os meus sentimentos. Problema de quem me ache sensível! Talvez o mundo esteja precisando disso: SENSIBILIDADE NO CORAÇÃO DAS PESSOAS!!Isso levaria ao respeito ao próximo e mais um monte de coisas....mas esse é um discurso para outro momento.

*******************************************************************************


Depois desse dia, recebo a grande notícia: minha vó está com câncer. Novamente. Depois de 11 anos.

-PAUSA-

Precisava processar direito a notícia, digerir com calma o que estava acontecendo. Estavam falando da minha vó! Aquela que, infelizmente, torce para o Bahia, aquela que vive a dizer que me odeia, que coloca meu nome na novena de Santo Antônio, porque diz que nenhum homem vai me aguentar, aquela que nunca me manda beijo ao telefone, manda murro e diz que não tem saudade e sim, alívio por não estar comigo...sei que tudo isso é mentira dessa velha louca, pois a gente se ama, além de tudo, por causa dessas pirraças!!
Por que isso com ela de novo?? Já não bastam as dores nas pernas; ser quase que, completamente, surda, não ter mais os dentes, ainda é preciso massacrar com um câncer aos 97 anos????
Recorro, novamente, à minha religiosidade e pergunto:
- "Qual é cara...será mesmo preciso tudo isso??".
Não escuto com o ouvido, mas de alguma forma, entendo que Ele me responde:
- "Sim, é preciso.".
Retruco:
- "Mas, porquê??"
E dessa vez, não escuto mais nada.

No dia seguinte, no trabalho, eu estava desnorteada e chorosa. Pesada. Com medo.





















****************************************************************************



Pra completar, essas coisas todas aconteceram em apenas 4 dias e tiveram como pano de fundo uma ansiedade louca por um momento que vai acontecer e que eu espero há tempos. E esses acontecimentos me fizeram desejar ainda mais forte que tudo termine como nos meus sonhos...pois é só do que eu preciso para poder acreditar que ainda existe ,em algum lugar(e eu sei bem em que lugar), um pouquinho de felicidade reservada para mim.

O chefe do meu irmão chega essa semana aqui em Salvador...diz ele que quer conhecer a minha casa e a minha avó. Já combinamos de sair com ele. Na certa, iremos na Tapiocaria perto aqui de casa. Ele já avisou que gosta do lugar. Fiquei pensando: "Deve ter vivido bons momentos ali...".


Ele(o chefe), eu, Erika(irmã) e Rommel(irmão) em Recife