quarta-feira, 30 de janeiro de 2008

Mais (um pouquinho mais...) do mesmo!rs

Eu e Mari saindo do shopping.rs!





Você tá aí, vivendo uma nova vida e eu, aqui, revivendo diariamente a nossa relação. Seja no que for, nos filmes que vejo, nas brincadeiras que faço com Mari, no livro que tô lendo agora (no que li antes também!), nas manias suas que ainda tenho, semanalmente na terapia, na distração de quase sem querer te ver no shopping e ser puxada bruscamente por Mari para o lado oposto com uma desculpa sem propósito nenhum e ela, tb sem conter o nervoso por minha causa, resolve me contar o sufoco que passou. Sim, ela que passou o sufoco, pq eu nem vi. A minha agonia só veio quando descobri que estávamos no mesmo lugar e que você poderia surgir em qualquer uma daquelas esquinas do shopping. Quase fechei meus olhos e pedi pra Mari ser meu “cão-guia” até a saída!!rs

Em casa, aquele cara da minha família e que eu amo tanto como se fosse um irmão, desabafa comigo sobre o namoro dele. E como eles são parecidos com o que a gente foi...a namorada, cheia de ciúmes como eu, perdidamente arrependida e culpada por sentir aquilo tudo, querendo deixar de sentir sem conseguir. As justificativas dela, quando não são parecidas com as minhas, são iguais. Palavras dela: “Eu não quero mais sentir isso, confio em você, sei que não vai me trair, mas não consigo deixar de ter ciúmes, minha cabeça não pára!”. Ela roubou a minha fala!!!! Esse era o meu personagem!!!Você lembra disso, com certeza!! Espero também que lembre de como perdia a paciência e as estribeiras!!!rs

Ele, faz um pouco o seu papel (um pouco...pq esse personagem é seu desde que você nasceu!Ninguém toma!!A figura dramática de vítima é sua!!!), fica pressionado com tanta desconfiança, reclama o tempo todo disso.

Chega um momento que inverte tudo quando ele começa a dizer que ela é cheia de problemas, de traumas familiares, que o temperamento é assim ou assado por causa disso e daquilo...enfim, tudo nela é justificável, é abonado. Até que ele diz: “Sabe quando você acha que é você que tem que organizar a vida daquela pessoa, que você não quer deixar que ela sofra mais e blá blá blá...”. Caí. Em prantos. Sim, sim...chorei de verdade! Outra fala que era minha!!!! Tomei um susto e fiquei deveras preocupada. Era a nossa relação! E eu sabia que o final daquilo não era nada bom! Rapidamente, tentei explicar que se ele assumisse a vida dela daquela forma quem ia ser infeliz era ele!! A nossa maior obrigação é de nos fazer feliz!! Você também teria tanto pra dizer pra esses dois...

Reviver isso foi difícil pra mim. Talvez, uma das situações mais difíceis, depois da minha fase crítica. Saber que uma pessoa que a gente ama, passa pela mesma situação pela qual eu passei e saí desiludida...pensar que a felicidade do outro está em nossas mãos...é responsabilidade demais!!!! Isso é bem a minha cara de Madre Teresa! E, pelo visto, a dele de Frei Galvão! A sua felicidade está e sempre esteve nas suas mãos, tanto é que você anda por aí “cantando na chuva”, como diz o seu MSN. A felicidade da namorada dele, está dentro dela!!

Uma vez você disse que eu tenho mania de escolher pessoas que não podem sofrer e sempre citava meu sobrinho Rafael e Guto, meu primo, mas nunca percebeu que também tinha sido escolhido. E que continua na minha lista até hoje.



"A Flor respondeu: - Tolo! Imaginas que abro as minhas pétalas para que as vejam? Eu desabrocho para mim própria porque isso me agrada, e não para agradar aos outros. A minha alegria consiste no meu ser e no meu desabrochar."

Arthur Schopenhauer


3 comentários:

Lala disse...

Eu sempre passo, sempre leio e nunca comento, pronto agora comentei...nada de ficar mais revivendo, agora eh tempo de viver, nada de re na frente...esse ano, coisas novas, o ano já lhe deu um bom "inicio" se prenda nele e leve isso o ano inteiro!!! E SE por um acaso vc encontrar, se esbarrar, amntenha a calma, e diga que vc vai muito bem obrigada, pq eh verdade! te amo

Mariana disse...

Do susto nem quero lembrar.
Espero em Deus que não estejamos juntas se esse encontro acontecer.
Não quero enfartar aos 25!!!! rs!

P.S.: ser seu cão-guia não é fácil, viu??? Mas eu me saio bem, né?
Hahahahahahahhahahahahahahahhaahah!


Beijo!

Sérgio Goblin disse...

Reencontros são normais depois dos desencontros...


PS: E vc, Aninha, por que abre suas pétalas?
=]

Bjokas